Imprimimos Tradições

“Imprimimos Tradições” é um projecto artístico, criado pela marca :Diverte, que visa o registo do património cultural, em peças físicas, modeladas digitalmente e materializadas através de impressão 3D aditiva.

A primeira linha de produtos refere-se a alguns dos Trajes Regionais de Viana do Castelo. Sendo, unanimemente, considerados, como os mais belos da indumentária popular de Portugal, estes trajes foram usados pelas raparigas das aldeias rurais de Viana do Castelo até inícios do séc. XX. A sua origem é atribuída a meados do séc. XIX, período durante o qual ganharam características únicas que os distinguiram dos demais, e que, desde então e até hoje, os tornaram um símbolo da região do Alto Minho.

Cada um dos modelos está disponível em quatro (4) escalas diferentes:

* 1:20 – cerca de 9 cm
* 1:15 – cerca de 12 cm
* 1:10 – cerca de 19 cm [EDIÇÃO LIMITADA]
* 1:8 – cerca de 23 cm [EDIÇÃO LIMITADA]

– As escalas 1:20 e 1:15 estão disponíveis em mais de 30 cores diferentes.
– As escalas 1:10 e 1:8 estão disponíveis em 2 cores (branco e barro) e pintadas à mão

Traje de Domingar

O Traje de Domingar, pela sua própria designação, significa o traje de domingos que não o dos Santos Patronos, sendo usado em diversas situações, tais como ir à missa, à cidade ou à feira, situações estas nas quais as mulheres queriam estar mais bem arranjadas. Mais simples do que os Trajes de festa, o Traje de Domingar é a sequência lógica do traje de trabalho.

Traje à Vianesa e Traje de Festa de Homem

O traje à Vianesa, de confeção artesanal e, utilizando principalmente a lã e o linho como matérias-primas base na sua composição, recorre ao bom gosto das lavradeiras, as quais, através da tecelagem e dos seus bordados à mão, elaboraram um dos trajes mais harmoniosos e decorativos de Portugal. Já o traje de Festa de Homem, sendo uma contraparte mais simples do traje à Vianesa, apenas se destacam os bordados a ponto de cruz na camisa e a faixa à cinta, num conjunto mais sóbrio.

Traje de Ceifeira e Ceifeiro

O traje de Ceifeira e Ceifeiro, como trajes de trabalho, estavam adaptados às lides do campo, e em especial ao corte da erva. Usando tecidos mais grosseiros de lã e linho na composição das peças do traje, a estopa e a fraldilha, juntamente com chapéus de palha e socos de couro e cabedal, fazem parte de um conjunto de trajes de cotio usados nas várias lides do campo e monte pelos camponeses desta região.

Traje de Mordoma

As mordomas eram as jovens responsáveis pela organização das festas de suas aldeias. No dia da procissão, por detrás do andor, elas desfilavam com os seus ricos trajes e adornadas com joias em ouro. Este traje, usado nos momentos solenes das festividades, era uma veste de cerimónia, geralmente de fundo preto, no entanto, surgem alguns exemplares em azul ferrete, sinónimo de casa abastada.

Edição Personalizada

A Edição Personalizada pode ser feita de duas formas:

– inserção da cara num dos nossos modelos

– digitalização 3D completa de si totalmente trajado